O sono

Os problemas de sono nas crianças dos 0 aos 5 anos

com Lyliane Nemet-Pier, psicanalista infantil

Os problemas de sono das crianças podem assumir diversas formas: dificuldades em adormecer, acordares frequentes, assim como, em menor grau, pesadelos, medos noturnos e sonambulismo. Sendo cada caso um caso, pode ser difícil reconhecer as causas. Lyliane Nemet-Pier, psicóloga clínica e psicanalista, responde às perguntas dos pais sobre o sono das crianças para os ajudar a compreender quais são os problemas associados ao sono e como resolvê-los. Propomos um dossier temático completo sob a forma de pergunta-resposta, estando cada resposta associada a conselhos práticos destinados a todos os pais que desejem compreender e aprender a gerir melhor o sono dos seus filhos.

 

O essencial do sono da criança

 

 

O sono da criança em 5 questões



O ritmo biológico e os ciclos de sono

O sono das crianças está organizado em ciclos que evoluem ao longo da vida e que são compostos por várias fases. Os ciclos podem ser assimilados a pequenos comboios dos quais as carruagens representam as diferentes fases do sono e a locomotiva corresponde à fase do adormecer. Ao longo do crescimento, a criança vai construindo progressivamente o seu sono noturno e criando um ritmo regular. O visionamento do nosso vídeo por parte dos pais poderá dar-lhes a conhecer melhor os ciclos do sono do seu filho(a) e as suas particularidades, contribuindo o(a) ajudar a dormir melhor.

 

 

1 /5
O momento de deitar a criança não é importante e pode variar.
Boa resposta!
Má resposta!
O momento de deitar a criança é extremamente importante, permitindo-lhe inclusive adormecer rapidamente, se for bem escolhido.

6.jpg

O sono da criança assenta em ritmos biológicos que alternam entre diferentes ciclos de sono. Deste modo, a criança deve ser deitada logo que manifeste vontade de dormir, no início de um ciclo de repouso. Os pais devem então estar atentos aos sinais que anunciam que a criança tem sono. Estes sinais são próprios e inerentes a cada criança e podem incluir manifestações físicas, tais como bocejos, chuchar no dedo ou esfregar os olhos ou o lóbulo da orelha. O surgimento de uma área vermelha ao nível das arcadas supraciliares ou de manifestações comportamentais, como sejam a criança dobrar-se sobre si mesma, estender-se no chão enquanto brinca, ou, pelo contrário, estar excitada ou enervada. A identificação destes sinais indica que chegou o momento de a deitar, o que ajudará os pais a adormecer a criança com mais facilidade. Em contrapartida, se o ato de deitar tiver lugar a meio de um ciclo, a criança não conseguirá adormecer.

Conselho

Estejam atentos aos sinais que anunciam os ciclos do sono e deitem a criança assim que a mesma manifeste vontade de dormir. É preferível adaptar a hora do jantar em função do ritmo biológico (o chamado “comboio” do sono): a criança deve ser deitada logo depois do jantar. Para favorecer o ato de adormecer, a criança deve dispor de um local próprio, com referências de ligação fortes que a façam sentir bem e onde dormir seja para ela um prazer.

2 /5
A existência de fases de agitação durante o sono é normal no bebé.
Boa resposta!
Má resposta!
O sono do bebé é interrompido por fases de sono agitado até aos 2 meses.

nourrir-bebe.jpg

Até aos dois meses, aproximadamente, o sono dos bebés assenta em ciclos que incluem uma fase agitada de 25 minutos, seguida de uma fase calma de 25 minutos. Cada ciclo demora, portanto, 50 minutos. O sono agitado assemelha-se a uma fase de despertar em que o bebé realiza movimentos oculares, agita as extremidades, pés e  mãos, assume várias expressões faciais, ao mesmo tempo que emite gemidos, embora esteja a dormir profundamente. O bebé pode também chorar e acordar, mas geralmente volta a adormecer muito rapidamente,

Para compreender bem os ciclos de sono, em função da idade da criança, não deixe de visionar o vídeo sobre “O ritmo biológico e os ciclos de sono” que os apresenta de forma detalhada.

 

 

 

 

 

Conselho

Não se precipite imediatamente assim que vir o seu bebé chorar ou produzir determinados gestos visto que pode estar numa fase de sono profundo. Se se acalmar em poucos minutos, é porque está a sonhar e é preciso deixá-lo voltar a adormecer sozinho. Mas se acordar, também não deve tirá-lo da cama, caso contrário, ele poderá não conseguir voltar a adormecer. 

3 /5
Uma criança com medos noturnos não deve ser acordada.
Boa resposta!
Má resposta!
Uma criança com medos noturnos está a dormir profundamente e não deve ser acordada.

6.jpg

Os medos noturnos são pouco frequentes e apenas acontecem em cerca de 3% das crianças, contrariamente aos pesadelos. São raros antes dos 15 meses e acontecem sobretudo entre os 4 e os 12 anos. Produzem-se durante o sono lento muito profundo, isto é, o sono correspondente à primeira fase da noite, enquanto a criança dorme profundamente. Trata-se de um problema de sono que se manifesta por um grito ou choro agudo, associado a sinais de angústia. O corpo da criança é percorrido por tremuras e está coberto de suor. Ao acordar, a criança esqueceu geralmente tudo o sucedido. Os medos noturnos são principalmente atribuídos à falta de sono, mas um nervosismo, que pode estar associado a alterações no dia a dia da criança, pode ser igualmente a causa dos mesmos. A prática da sesta durante o dia pode ajudar a resolver o problema em crianças de tenra idade: 3 sestas por dia até aos 12 meses e depois duas por dia até aos 15 meses, seguindo-se uma sesta por dia.

Conselho

No caso dos medos noturnos, é inútil acordar, sacudir ou consolar a criança pois esta está a dormir profundamente e não se encontra sensível a palavras de consolo. Se os medos noturnos se tornarem demasiado frequentes, deverá consultar um psicólogo com o intuito de tentar apurar a respetiva causa.

4 /5
Um bebé começa a “fazer as suas noites” com aproximadamente 1 ano.
Boa resposta!
Má resposta!
Um bebé começa a “fazer as suas noites” entre os 3 e os 6 meses.

nourrir-bebe.jpg

“Fazer as suas noites” significa que dorme entre a meia-noite e as 5 horas da manhã) sem reclamar comida ou a presença dos pais. Em média, o bebé começa a “fazer as suas noites” entre os 3 e os 6 meses. O ritmo circadiano do bebé desenvolve-se à medida que ele vai crescendo, o que lhe vai permitir criar muito rapidamente sensibilidade para diferenciar o dia da noite. Estará mais desperto de dia e dormirá mais durante a noite. Quanto maior for a duração do sono lento profundo, menos acordará durante a noite. No entanto, “fazer as suas noites” não significa que o bebé não acorde. É normal que o faça a cada mudança de ciclo, mas voltará a adormecer poucos minutos depois. Apenas são considerados “verdadeiros problemas de sono” aqueles casos em que, após os 6 meses de idade, o bebé mantém os pais acordados durante toda a noite.

Conselho

A alternância dia/noite, ou luz/obscuridade natural, é uma referência de tempo fundamental para o bebé. Passear o seu bebé entre 12 e 16 horas no período neonatal ajudá-lo-á a dormir à noite muito mais que se o bebé ficar em casa. À medida que o bebé vai crescendo, a regularidade da hora de levantar torna-se cada vez mais importante. Um bebé não tem necessidade de luz para adormecer: o medo do escuro apenas aparece, geralmente, a partir dos 2 anos, a obscuridade favorece então o adormecer. Em suma, não hesite em instituir um ritual de deitar para ajudar a criança a fazer a transição entre o dia e a noite. 

5 /5
O osteopatia pode ajudar a tratar certos problemas relacionados com o sono do bebé.
Boa resposta!
Má resposta!
Um osteopata pode identificar um problema mecânico que possa estar na origem dos problemas de sono do seu bebé.

6.jpg

Na realidade, alguns problemas mecânicos podem estar na origem de problemas de sono. No bebé, o nascimento pode ter sido relativamente traumático e ter causado  pescoço rígido (torticolis), dores funcionais ou compressão craniana. Algumas dores devidas por exemplo a cólicas ou refluxo gastroesofágico podem igualmente perturbar o adormecer ou o sono do bebé. Por outro lado, o bebé pode sentir tensão, associada a stress exterior, que pode perturbar o seu sono. Estes problemas mecânicos dificultarão o relaxamento do bebé e acentuarão o seu desconforto ou mal-estar geral. O osteopata irá examinar o corpo da criança, detetar as diferentes tensões existentes e procurar solucioná-las, de forma a permitir que o bebé reencontre o seu equilíbrio e se sinta novamente bem com seu corpo. O bebé poderá então voltar a conseguir adormecer de forma mais fácil e tranquila. No entanto, se o problema não for de ordem mecânica, a osteopatia não tratá qualquer melhoria.

Conselho

A consulta de osteopatia deve ser sempre considerada como um complemento das visitas regulares ao pediatra. O osteopata pode intervir desde os primeiros dias de vida do seu bebé, enquanto as suas estruturas ósseas, musculares e articulares se encontram maleáveis; as correções serão assim mais rápidas e eficazes. Não hesite em consultar um osteopata se suspeitar de algum problema. 

A sua pontuação é de
/5