França : Um álbum de nascimento para as crianças nascidas sob anonimato

Em França, 500 a 700 crianças nascem, todos os anos, sob anonimato - ou seja, de uma mãe que opta por permanecer anónima - antes de serem confiadas à Assistência Social à Infância (ASE) e adotadas. Estas crianças passam uma média de cinco a dez dias na maternidade (excluindo as complicações), o tempo em que a gestão é organizada pela ASE. 

 

Para lhes permitir manter a memória dos seus primeiros dias de vida, a unidade canguru do hospital Antoine-Béclère de Clamart (Hauts-de-Seine) criou um álbum de dez páginas para reunir as primeiras memórias: o banho, usar o biberão, cenas memoráveis durante a estadia na maternidade... Este álbum reúne os testemunhos, sob a forma de textos e imagens, da equipa de serviço: parteiras, enfermeiros pediátricos, psicólogos, etc. 

album-naissance-sous-x.jpg

Psicóloga clínica no Antoine Béclère, Pauline Minjollet coordenou o projeto. Ela explica: «Todas as maternidades fazem um álbum de nascimento para crianças nascidas sob anonimato, mas, muitas vezes, com poucos meios disponíveis e, por isso, um pouco frágeis e nem sempre esteticamente bonitos. Isso é compreensível, uma vez que o número de nascimentos anuais sob anonimato em cada maternidade é frequentemente reduzido - uma média de cinco no Antoine-Béclère – o que é um pouco aborrecido. O álbum que projetámos é personalizado, ilustrado a cores e, por isso, agradável de ver e em cartão, ou seja, duradouro. Isto é importante porque, na creche ou na família adotiva, o álbum é frequentemente consultado e pode estragar-se. Também tentámos criar uma estrutura flexível e que se enquadre, que ajuda a encontrar o tom certo, atencioso: nem distante e frio, nem muito pessoal e cheio de afeto - o que muitas vezes acontece quando a zona para escrever não tem limite. Deve, assim, permitir contar a evolução emocional, comportamental e de desenvolvimento do bebé.»

 

O álbum de nascimento é entregue ao ponto de contacto da ASE ou da OAA (instituição autorizada para a adoção) que visita a criança na maternidade e a acompanha na creche. É guardada uma cópia no processo médico da criança e deixada à sua disposição se a quiser pedir quando atingir a maioridade. Já implementado no Antoine-Béclère, este álbum de nascimento está disponível em todas as maternidades que o solicitem através da Fundação Mustela.